• 16
  • dez
    2014

O que me pede a imprensa

A imprensa me pede, basicamente, duas coisas. Uma, que meus artigos tenham mais dados que os fundamentem e justifiquem. E dois, que seja mais propositivo do que crítico. Recorrentemente, aqui e ali, a imprensa em geral faz chegar a scies a onglet essas “sugestões”. O melhor que posso fazer com esses pedidos, mais do que obedecê-los, o que não consigo, ainda que tente, é refletir sobre eles. É o objetivo deste texto. Quando me pedem para apresentar dados, o que estão pedindo na realidade? Que seja sério, no sentido de científico. Não…

Quel est le meilleur  disque dur externe

Ler mais
  • 12
  • dez
    2014

A educação brasileira

Não vou micro chaine hifi Panasonic falar da educação no Brasil a partir do que a caracteriza e do que a distingue scies circulaires comparatif. Disso já falamos bastante, e acredito que é suficiente. Quero falar da educação no Brasil a partir do que, sem dúvida alguma, ela tem em comum com outras educações na América Latina. Porque disso falamos menos. Falamos menos mas hoje temos muito mais a dizer. É curioso que o PISA não só nos diga que nossos sistemas básicos de ensino não vão bem senão que, além disso, praticamente todos os países da América Latina…

Ler mais
  • 9
  • dez
    2014

A escola inútil

Quelle imprimante laser choisir

Podem as instituições serem úteis e inúteis ao mesmo coupe bordure sans fil? Elas podem ser úteis pois evitam a eclosão de outras novas. Impedem sua própria transformação. São úteis porque, ainda que inúteis, ocupam algum lugar. Úteis porque obturam a angústia que gera o vazio e a empurram à produção do novo. São úteis, em suma, porque não nos deixam ver que temos um furo essencial. São úteis para evitar a vivência da crise, não a própria crise hachoir a viande comparatif. Mas só são úteis para isso. Creio que a escola hoje é uma dessas…

Ler mais
  • 5
  • dez
    2014

Vida, tecnologia e escola

Como a tecnologia entrou em sua dictaphones Olympus? Quando ela entrou? Ela é uma solução ou um problema? Você escolheu a tecnologia ou ela escolheu você? Ela desestabilizou sua vida social? Você imprimante wifi pas chere  de tecnologia? Não costumamos nos fazer tais perguntas e ninguém tampouco nos indaga sobre a tecnologia porque a resposta a esses questionamentos nos parece óbvia. No máximo, responderíamos com um entediante “não sei”. Entretanto, em se tratando da escola, onde a digitalização ainda está se instalando, volta e meia alguém faz perguntas desse tipo. O que a tecnologia…

Ler mais
  • 3
  • dez
    2014

Programação

Trabalhar com robótica não é o mesmo que considerar os alunos presse-agrumes. No primeiro caso, trata-se de programar; no segundo, de ser programado. Gosto de como a robótica tem avançado nas escolas. Um avanço tímido, porém notável acheter matelas gonflable. Claro, ainda avaliamos competências e temos olimpíadas e rankings, essas coisas degradantes que gostamos tanto. Mas há avanço. Gosto porque o exercício de programação é um exercício intelectualmente rico, scie sauteuse comparatif, aberto, que estimula a inteligência. Não se trata de a escola gerar programadores para a crescente demanda de trabalho, e outras coisas que…

Ler mais